sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Capítulo 5: Minha filha é sapatão

No capítulo anterior de "Ressuscita!": 
- Irmã Cleycianne, você viu? - disse Irmã Wanda apontando para o caminhão de som.
- Sim, Irmã Wanda! Uma sapatão fazendo discurso, o que que tem? - disse eu dando de ombos em Cristo.
- Cley, olha bem para o rosto dela! A sapatão é Layla Camile! - gritou Irmã Wanda. 



Ressuscita! 
Capítulo 5: Minha filha é sapatão
Autor: Thiago Pereira 
                                         Escritora e revisoura gramatical: Cleycianne Ferreira


Arregalei os olhos, reconheci o rosto de minha bebéia e não suportei. Desmaiei em Cristo!

Socorrida pela Irmã Wanda, que me levou para um lugar mais sossegado em seus fortes braços, acordei assustada, como se acordasse de um pesadelo:

- Irmã Wanda, o que está acontecendo? Minha filha virou sapatão mesmo? Meu Deus, acho que vou ter um derrame em Cristo! - disse eu muito louca em Jacó.
- Calma, Cley! Layla Camile te viu desmaiando no meio da multidão e está aqui do lado chamando o SAMU. Layla! Sua mãe voltou! - disse irmã Wanda gritando para Layla que estava afastada tentando pegar sinal da Tim. 

Com a visão embaçada, por causa do desmaio, vi Layla se aproximando, quanto mais perto ela chegava mais nítido eu via o rosto de minha bebéia. Com 19 anos, Layla tinha um rosto angelical, assim como o meu, mas seu cabelo louro estava curto, curto como o do cantor Justin Bieber em 2011 e usava uma camiseta com a hashtag #EleNão . Ela se aproximava e me olhava com o mesmo olhar de felicidade que ela fazia quando estava de dieta, para não se tornar uma adolescente obesa, e eu a deixava sentir o cheiro da caixinha do lanche do Mcdonald´s. Quantas lembranças!

- Mãe! Você voltou, achei que era apenas mais uma fakenews do zap! - disse Layla Camile me abraçando muito forte. 

Bem séria e com um olhar de decepção em Cristo me afastei de Layla Camile, olhei em seus olhos e disse:

- Não criei filha minha para ser sapatão. Você precisa de cura em Cristo, precisa tirar esse encosto de caminhoneiro que está dentro de ti! Filha, pênis é uma coisa legal, repense sobre isso! - disse eu bem educativa, me mostrando amorosa, respeitosa, porém com o pulso muito firme.
- Por estar lutando contra o Bostossauro, por estar toda de vermelho... eu achei que você tinha mudado. Não me vê há 3 anos e me trata assim? Você não tem amor nenhum nesse seu coração! - disse Layla pegando na mão de uma garota, que parecia ser sua namorada, e saindo quase correndo de perto de mim. 

Acabada com a situação, rolei pelo chão da Avenida Paulista, chorando, e falando:

- Minha filha é sapatão, socorro. Alguém chama a polícia! 

Irmã Wanda me pegou novamente em seus fortes braços, me carregou no meio da multidão e quando estávamos chegando próximo ao metrô eu disse com a voz bem rouca e enfraquecida de tanto gritar:

- Irmã, abra a minha bolsa, pegue o Rivotril em Cristo e pingue 50 gotinhas em minha boca. Quero dormir! 

E foi o que aconteceu, eu apaguei!! Quando acordei, já era dia novamente e estar de volta à realidade me doia muito. Levantei, abri a janela e comecei a gritar louca em Cristo:

- DEUS, ME LEVE DE VOLTA! EU ESTOU SOFRENDO MUITO AQUI NA TERRA E NÃO ESTOU CONSEGUINDO CUMPRIR A MISSÃO QUE O SENHOR ME DESIGNOU. POR FAVOR, ACABE LOGO COM ISSO!! - disse eu jogando o meu cabelo para o lado esquerdo e colocando o dedinho na boca após a última palavra da frase. 

- NÃO! - ma voz grossa ecoou no meu quarto! 

Olhei para trás e me dei de cara com a Irmã Wanda:

- Irmã Wanda, você disse algo?
- Disse algo?
- Disse não?
- Disse o que?
- Disse não.
- Não to entendendo nada, irmã!  Cley, você precisa se recuperar, precisamos voltar à luta contra o Satanás! Antes de você retornar para o céu a gente resolve o problema de Layla Camile, a gente sequestra ela e faz o processo de cura do lesbianismo no cativeiro gospel, aquele mesmo que funcionou comigo, mas agora vamos focar na sua missão. -  disse irmã Wanda me interrompendo e tentando encaixar as coisas nos trilhos de novo. 

Encafifada, eu sentia que havia feito algo errado com Layla Camile e estava me sentindo muito próxima da intolerância pregada pelo Satanás Bostossauro. Será que eu sempre fui uma Bolsominia? Será que está correto em Cristo eu ser contra os homossexuais? Minha cabeça estava muito confusa e o meu coração apertava toda vez que lembrava de minha filha, minha bebéia.

Almoçamos uma folha de alface cada uma, pois a dieta continua, e fomos para a sala ver o jornal do meio dia para fazer digestão e pensar em qual seria o nosso próximo passo na luta contra o Satanás. Foi quando uma reportagem nos chamou atenção:

"Ontem, após uma manifestação na Avenida Paulista, uma garota de 19 anos foi atacada por apoiadores do candidato Bostossauro, pois usava uma camiseta com uma estampa que dizia  #EleNão. Em suas costas, os apoiadores desenharam uma suástica nazista com um canivete. O delegado que cuida do caso, amenizou o ocorrido e disse que o desenho feito trata-se de um símbolo budista de paz e amor" 

Assustadas, eu e irmã Wanda olhamos uma para a outra e quando olhamos para o televisor novamente, uma facada acertou o meu coração, a garota violentada era nada mais, nada menos do que Layla Camile.

GRITEI LOUCA EM CRISTO! 






9 comentários:

  1. Thiago vc é foda! Imaginar a Cley rolando a avenida Paulista foi hilário! Haha

    ResponderExcluir
  2. Estou impactado em Cristo....cada capítulo termina parecendo Avenida Brasil

    ResponderExcluir
  3. Essa história é sem duvidas Emocionante em Cristo

    ResponderExcluir
  4. Maravilhoso! Cada capítulo mais emocionante que o outro!

    ResponderExcluir
  5. Metaficção historiográfica. Está indo longe demais, viado.
    Mais um blog patrocinado pela lei Rouaney.

    ResponderExcluir